Aeronave C-95 Bandeirante
C-95 Bandeirante é um dos modelos de aeronave da Força Aérea Brasileira
Não são só as principais autoridades políticas do país ou chefes militares que têm direito a voar
em aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB). Qualquer cidadão civil também pode pleitear um lugar nos voos da Aeronáutica, sem custo nenhum, para todas as regiões do país, desde que haja vagas nas aeronaves.
A diferença é que, enquanto o vice-presidente da República, ministros de Estado, presidentes do Legislativo (Câmara e Senado) e do Supremo Tribunal Federal (STF), além dos comandantes das Forças Armadas, têm direito a utilizar as aeronaves para viagens exclusivas, desde que embarquem a trabalho e por motivo de segurança ou emergência médica, o cidadão comum só pode voar com a FAB em voos já programados.
Nos últimos dias, se tornaram públicos casos de autoridades que fizeram uso indevido de aviões da FAB, como o presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), o presidente da Câmara dos Deputados, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e o ministro da Previdência, Garibaldi Alves (PMDB) – veja essas reportagens nos links abaixo.
Cidadãos comuns
Avião de transporte da FAB modelo C99
Avião de transporte da FAB jato modelo C99
No caso de passageiros comuns, a viagem é condicionada à disponibilidade de voos de transporte, o tipo de missão que a FAB irá cumprir e à existência de vagas livres nos aviões. Os voos não são regulares, portanto não têm datas, horários e destinos previamente definidos. Os modelos de aeronaves são diversos: o passageiro pode embarcar, por exemplo, no conforto de um jato C99, que costuma transportar autoridades, ou até em um turbo-hélice Bandeirante, com capacidade para cerca de 20 pessoas.
Os interessados devem procurar o Correio Aéreo Nacional (CAN) de sua região, preencher uma ficha de inscrição, anexar cópias da identidade e do comprovante de residência e informar o trecho que deseja voar –menores devem ser inscritos pelos pais ou responsáveis legais. Após o cadastro, o CAN entra em contato com interessado quando houver voo confirmado para o trecho solicitado e vagas disponíveis.
Há trechos com viagens frequentes, sobretudo entre as principais capitais do país, mas, segundo o setor de comunicação da FAB, a principal demanda está na região Norte, por cidadãos que viagem para cidades situadas em áreas remotas e de difícil acesso, como São Gabriel da Cachoeira (AM), por exemplo. Também há muita procura na região do Pantanal.
Contatos com a CAN
Imagem: DivulgaçãoA reportagem ligou para as 17 unidades do CAN, situadas em 14 Estados e no Distrito Federal. Os telefones foram indicados na página oficial da FAB para que os interessados possam obter informações. Na maior parte dos casos, não foi possível obter informações sobre voos. Em muitas unidades, o telefone informado não existe, a ligação não completa ou o número não pertence mais à FAB.
Em São Paulo, Campo Grande, Fortaleza, Canoas e Santa Maria (ambos no Rio Grande do Sul) foi possível obter informações sobre os voos previstos e orientações de como manifestar interesse.
Veja como foi o atendimento em cada unidade:
Campo Grande – não havia voos disponíveis; inscrições pessoalmente, de segunda a sexta, das 8h às 14h;
Fortaleza – não havia voos disponíveis; inscrições pessoalmente, de segunda a sexta, das 8h às 14h;
São Paulo – atendentes solicitaram o envio de um email para que encaminhassem a ficha de inscrição para os voos solicitados – havia voos para vários destinos;
Canoas (RS) – havia somente um voo programado, para Santa Maria (RS);
Santa Maria (RS) – sem voos programados, mas com previsão de vários voos para Porto Alegre nos próximos dias;
Florianópolis – expediente encerrado;
Belo Horizonte – não souberam fornecer informações sobre os voos e orientaram ligar para o CAN do Rio de Janeiro;
Belém – ninguém atendeu;
Brasília – ninguém atendeu;
Porto Velho – ninguém atendeu;
Rio de Janeiro – ninguém atendeu;
Boa Vista – ligação não completa;
Manaus – ligação não completa;
Natal – ligação não completa;
Pirassununga (SP) – número informado não existe;
Recife – número informado incorreto;
Salvador – número informado incorreto;
À reportagem, a secretaria de comunicação da FAB, situada em Brasília, disse que corrigirá os números informados na página oficial do órgão.
Autoridades fazem uso indevido de aviões:
Deixe o seu comentário no BLOG DO MEB.
Fonte: UOL e Verdade gospel