Silas Malafaia critica carta aberta criada contra deputado federal Marco Feliciano

O pastor Silas Malafaia, líder da Igreja Assembleia de Deus Vitória
em Cristo, mais uma vez se manifestou sobre a polêmica que tem girado em torno do pastor e deputado federal Marco Feliciano, que foi eleito presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados.
Agora o pastor Silas Malafaia fez uma declaração diretamente para os pastores, pedindo para que eles não assinem a carta aberta feita por evangélicos dando motivos para que esses saibam que a luta travada não é contra o próprio deputado Marco Feliciano.
Antes mesmo de apresentar suas justificativas para que os outros pastores não assinem a carta, o Malafaia ressaltou que por trás destes protestos estão representantes de esquerda que “defendem temas contrários aos princípios de Deus”.
O primeiro motivo apresentado por Silas Malafaia é a liderança do Partido dos Trabalhadores (PT) nesta comissão. Por 16 anos o Partido dos Trabalhadores tem usado a CDHM para apoiar o que ele chama de ativismo gay.
Ao falar do segundo motivo Malafaia fez um alerta: “a polêmica em volta de Marco Feliciano desviou a atenção para a eleição de José Genuíno e João Paulo Cunha na Comissão de Constituição e Justiça”.
“Eles precisavam desviar da sociedade o foco deste fato, e como têm poder na mídia, e como todo mundo sabe que a mídia não é a nosso favor, juntou a fome com a vontade de comer para que a sociedade não perceba que dois condenados do PT participam da mais importante Comissão da Câmara”, completou o pastor.
Os pastores Silas Malafaia e Marco Feliciano sempre tiveram suas divergências, mas nesse polêmico assunto Malafaia reitera seu apoio ao novo presidente da CDHM, alegando que não podem considerar Marco Feliciano racista e homofóbico.
“O Pr. Feliciano fez duas declarações infelizes, mas ele não pode ser julgado como homofóbico ou racista. Primeiro porque nunca bateu ou mandou matar gay, e segundo que ele é de origem negra”, escreveu Malafaia brincando com o fato do deputado alisar os cabelos.
“Pastores não podemos ser inocentes e cairmos no jogo da pressão da mídia, e daqueles que nos odeiam para parecermos segundo a sociedade como ‘politicamente corretos’”, encerrou o pastor Silas Malafaia.
Fonte O Verbo

0 comentários:

Postar um comentário