Ministérios comemoram resultados do evangelismo na Copa do Mundo

Milhares de pessoas ouviram o Evangelho, quer na forma escrita, verbal ou em testemunho, e houve centenas de decisões por Cristo
Dez estádios, 32 nações, 64 jogos, quatro semanas e um vencedor. Esse é o resultado que todos conhecem da Copa do Mundo 2010, na África do Sul. Mas, os ministérios cristãos também têm o que comemorar, pois aproveitaram as oportunidades para evangelizar e também alcançaram muitas vitórias.
Joseph Jacobs, diretor do The Ultimate Goal (TUG), uma organização orientada para o ministério de futebol na África do Sul, disse que "acredito que, juntos, contribuímos para realmente começar em nosso país um trabalho para que o povo se torne semelhante a Jesus - amar as pessoas e criar uma experiência que elas nunca esquecerão".
Agora que a Copa do Mundo acabou, Jacobs insiste que a organização não pode morrer. "O que vimos aqui é algo fantástico que nunca vimos antes. Como as organizações, agências missionárias e igrejas de diferentes denominações e de outros países trabalharam em conjunto para o objetivo comum de mostrar o amor de Cristo a todos os povos e nações”.
Um dos integrantes da International Mission Board, Wade Coker, o responsável pela evangelização e plantação de igrejas estratégicas na África, está feliz com o que foi realizado durante a Copa do Mundo. "Os objetivos que tínhamos durante o Mundial foram principalmente impactar o povo da África do Sul das áreas urbanas De todos os relatos que eu estou ouvindo, as metas foram realizadas no que fizemos, pois entramos nesses municípios e tivemos um grande impacto”, comemora.
Coker disse ainda que milhares de pessoas ouviram o Evangelho, quer na forma escrita, verbal ou em testemunho, e houve centenas de decisões por Cristo.
O brilho de Jesus pôde ser visto no campo também. Algumas dos jogadores falaram abertamente sobre a vida com Cristo, referindo-se a uma meta que é muito maior do que mesmo uma vitória da Copa do Mundo.
Lúcio, capitão da equipe brasileira e membro de uma igreja batista no Brasil, afirmou que "independente de quem você é, onde você joga, o que você faz ou sua profissão, Jesus te ama mesmo. Para mim, eu vejo isso quando eu acerto ou até mesmo quando eu falho. Aos olhos de Deus, eu sou a mesma pessoa, e ele vai continuar a me amar do mesmo jeito”.
O goleiro dos EUA, Tim Howard, manifestou opinião semelhante enquanto ainda a sua seleção disputava o título. "Eu sou abençoado por estar vivendo um sonho. Mas, ainda se tudo acabar, eu sei que ainda terei a paz. Isso provavelmente soa louco para a maioria das pessoas, mas esse é o tipo de paz que Cristo dá”, explica o cristão.


Fonte e fotos: Christian Telegraph/ Redação CPADNews

0 comentários:

Postar um comentário