Cada macaco no seu galho!

 Sabe aqueles momentos em que a gente sente vergonha de dizer que é Cristão?Passei por um desses hoje. Não vergonha do meu Deus ou da minha convicção de fé, mas por ver alguem que se denomina "irmão" escrever algo tão rancoroso e recheado de desamor.
Sou meio viciada em passear em blogs, e um dos meus favoritos é o blog do Rev. Augustus Nicodemos( vale a pena você conferir!); pois bem, lá vi um post sobre o uso de danças no culto solene, muito bem explanado por sinal, mas o que me chamou a atenção foi um dos comentários. Segue:
"Penso que quem queira ensinar danças litúrgicas deveria "autoamputar-se" da IPB( Igreja Presbiteriana do Brasil), ou senão, ser amputado por seu presbitério. Então saindo, (a)fundasse sua própria igreja, levando seus fiéis hedonistas consigo. Talvez assim juntos, os pastores e membros de sapatilhas alegrassem aos próprios egos famintos, que só se saciam alimentando-se de vidas.
De qualquer forma, quem muito quer dançar liturgicamente hoje, o fará escatologicamente no fim."
A agressividade e frieza com que o nosso "irmão" reformado se dirigiu à aqueles que pensam diferente dele me deixou impressionada. Ele não está preocupado com a vida das ovelhas dessa ou daquela igreja, ou com a interpretação errônea das escrituras - digo isso pois tambem não concordo com as danças litúrgicas - a preocupação dele é com o nome da instituição, o nome da "sua" igreja! Igreja que ele imagina não possuir fiéis hedonistas e egos famintos. Quanta hipocrisia! O pior, é que existem muitos como ele, preocupados com rótulos, instituições e nunca com as almas, vidas por quem Cristo morreu.
Me preocupa ver o dualismo que a igreja evangélica se encontra no Brasil. De um lado, pentecostais e neo-pentecostais inovando métodos e até a própria bíblia na tentativa de atrair fiéis. Do outro lado, igreja reformadas frias e racionais, sempre falando em um tom de superioridade e crítica. Nossa geração tem vivido em meio a um conflito, uma tensão onde somos obrigados a escolher um extremo. Vivemos na filosofia do "Cada macaco no seu galho", traduzido por "Cada crente na sua igreja" ou "Cada igreja na sua filosofia" ou ainda "Cada igreja tem sua liturgia" etc. Porque não a moderação?!
Espero que você, pentecostal, neo-pentecostal ou reformado viva a simplicidade do envangelho, que é "Amar e Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo".Para todo o resto, não existem mais palavras...
Obs: Se você se interessou em conhecer o Blog do Rev. Augustus Nicodemos, aí vai o endereço

http://www.tempora-mores.blogspot.com/

0 comentários:

Postar um comentário